Artigos

Faz tempo que somos o país do futuro

02/01/2014 - 14h55


Mais um ano se passou e entramos em 2014... o Brasil tem muito o que comemorar?

 

Exceto o avanço no plano social, fomentado por programas assitencialistas/eleitoreiros, o que vemos é uma economia frágil, patinando nos seus fundamentos, onde um PIB insosso, manipulado para atingir metas - utilizando diversos recursos contábeis, expressa a baixa taxa de investimento no país, o aumento da sua relação com a dívida bruta para uma faixa acima de 65% do que crescemos, inflação elevada, e o deficit no saldo da balança comercial... compramos mais produtos acabados de fora do que vendemos matérias primas, de pouco valor agregado. E ainda corremos o risco de receber um downgrade por parte das agências de classificação de risco...

 

Neste cenário, enquanto os mercados se recuperam no mundo desenvolvido, o que mais tem dado retorno aos investidores ultimamente é a especulação com o dolar.

 

Ou um bilhete premiado, objeto maior de desejo para qualquer brasileiro! Sonhar não custa nada, mas trabalho que é bom anda escasso... ou temos um povo preguiçoso, que se contenta em receber esmolas políticas.

 

Enfim, preparem-se para 2014, um ano com apenas 9 meses, pois a vida produtiva tupiniquim só começa após do Carnaval, depois vem a Copa do Mundo em junho, e outubro é mês de eleições. Os verdadeiros empreendedores que se salvem, pois do jeito que a coisa está acelerada - e sendo empurrada com a barriga - passado o Natal e Reveillon, ensejamos aqui os melhores votos de uma Feliz Páscoa. Viva o Coelhinho da Sorte!!!

 

Quando será a hora da virada?... de nos tornarmos o país do presente... pois aquele futuro prometido ainda demora para chegar. Pára logo com isso... chega!!!