Artigos

Beta, faz sentido?

22/10 - 18h36


 

Por Bruno Peruchi

 

Outro dia eu estava lendo o relatório de uma carteira de um fundo de ações. Na parte do relatório sobre a posição e exposição do fundo estava escrito que a carteira tinha posição líquida de 110% de PL, mas que essa não era uma carteira alavancada, pois a exposição ajustada por Beta era de apenas 89%. Para aqueles que já leram a expressão “ajustado por Beta” ou “Beta adjusted” se for um banco chique, essa afirmação não deve ser nada de novo, afinal essa metodologia é comumente usada no mercado e até dá a impressão que os caras sabem o que estão fazendo. Mas fica a pergunta, Beta faz algum sentido?

O Valor de um Ativo ou Empresa

19/10 - 18h23


  Por César Tibúrcio

 

O valor está vinculado a estimativa dos fluxos de caixa futuros. Isto tem muitas implicações práticas. A pessoa que usar da expressão deve olhar o futuro e ter a coragem de arriscar um palpite sobre o que irá ocorrer nos próximos períodos de tempo. . Uma conseqüência imediata deste fato é que cada analista terá uma projeção dos fluxos futuros. Se isto é correto, o valor obtido na fórmula deverá ser diferente para cada pessoa. Se uma pessoa acredita que no próximo ano o caixa gerado por uma entidade é de $100 e outra prevê um caixa de $120, os valores obtidos dificilmente serão idênticos. Assim, uma discussão sobre os pressupostos assumidos por cada pessoa só deve ser questionado em termos de sua razoabilidade e na sua coerência técnica.

Educação Financeira nas Escolas

28/09 - 18h18


 

Ensino transversal de Educação Financeira.

Como assim?

 

Por Álvaro Modernell 

 

São muitas as escolas interessadas em oferecer educação financeira aos alunos. Não é modismo. É uma necessidade. Elas precisam e estão cada vez mais se preocupando com temas de cidadania. Consumo consciente, responsabilidade socioambiental, educação alimentar, educação sexual, empreendedorismo, respeito à diversidade e ao meio ambiente são alguns desses temas que as entidades de ensino estão praticamente obrigadas a oferecer. Os pais cobram. Os alunos precisam. A concorrência oferece. Os professores sentem a necessidade. O mesmo ocorre com a educação financeira.

Bom Senso e Super-Otimização

27/09 - 14h45


 

Por Bruno Peruchi

 

Outro dia eu estava lendo um relatório de estágio de um cara de engenharia. O relatório era sobre a análise por ele conduzida enquanto trabalhava para a mesa de operações de um banco médio brasileiro. Como a estratégia por ele analisada é comum também a outras pessoas, resolvi então conversar sobre ela. A idéia dele era a seguinte, vamos montar posições de reversão ou de tendência com base no percentual de dias dos últimos “x” dias que subiram. Por exemplo, se nos últimos 30 dias o percentual de dias de alta foi superior a 70%, ficamos vendidos. Na análise desse estagiário o mercado seria dividido em mercados de alta, baixa ou estáveis e também de baixa ou alta volatilidade.

FGTS na compra de ações da Petrobrás

24/09 - 20h25


 

Por Paulo C. Coimbra

 

Desde 2000 havia uma grande expectativa, por parte dos trabalhadores, em utilizar parte de seus recursos do FGTS para compra de mais ações da Petrobrás. A Petrobrás conseguiu comprar da União (diga-se de passagem, sem licitação) o direito de explorar até 5 bilhões de barris de petróleo e gás natural em áreas ainda não concedidas da camada do pré-sal. Para tanto precisará de recursos, não somente para pagar à União, como também para investir em tecnologias e estabelecer as condições necessárias para tal exploração. A empresa optou por capitalizar-se através da emissão de novas ações, o que poderá chegar a US$ 65 bilhões.

Onde Poderão Surgir Boas Surpresas

21/09 - 22h02


 

Por Jarbas Gambogi - KB

 

O Ibovespa pode ser subdividido em diversos setores, mantendo as mesmas participações de cada papel no índice. O peso de cada setor no Ibovespa é resumido no quadro abaixo. A pontuação do Ibovespa Doméstico seria a diferença entre a cotação do Ibovespa e a soma das pontuações dos demais setores.  As participais do Ibovespa Doméstico e Bancos respondem atualmente por 48,8% do Ibovepa e os papéis que os compõem são, nessa ordem, os que têm apresentado os melhores desempenhos, responsáveis pela resiliência do Ibovespa diante das perdas sofridas pelo SPX. O Ibovespa Doméstico registrou a melhor leitura nominal de sua história...

A capitalização da Petrobras

09/09 - 12h41


Para compreender a lógica da operação de capitalização da Petrobrás, é necessário entender que o controle deste bilionário Grupo Petrolífero, independentemente da sua atual participação acionária, sempre foi exercido pela União Federal. Isto acontece porque a União pertence a um bloco de acionistas cujos diretores, todos eles, são nomeados pelo Presidente e Ministros da República Federativa do Brasil. Hoje, este bloco de acionistas, denominado “majoritário”, controla mais de 51% do total das ações da companhia. Este grupo  é formado, entre outros, pela União; pelos maiores Fundos de Previdência “privados” da América Latina (entre eles, Previ, Petros e Funcef), pelo Banco do Brasil, pela Caixa Econômica Federal, BNDES e pelo BNDESPAR, todas empresas privadas controladas pela União.

Índice: à Vista e Futuros

02/09 - 14h02


Por Bruno Peruchi

 

Existe uma situação no mercado financeiro que sempre me pareceu um problema de “Ovo x Galinha”. Todo dia o contrato futuro de índice abre à negociação uma hora antes das ações e portanto da formação dos índices. Nos dias que esses contratos abrem em alta, o índice à vista também abre em alta, e nos dias que ele abre em baixa o mesmo acontece com o índice. A pergunta que sempre me ocorre: É o índice que está definindo seu preço com base na negociação pré-abertura do contrato futuro, é o contrato futuro que está conseguindo prever a abertura do índice, ou ambos simultaneamente? Suponho que seja a última.

Perspectivas para a Bolsa de Valores

01/09 - 17h35


 

Por Stephen Kanitz

 

 

Em maio vocês leram a minha previsão de que a Bolsa iria subir 8 vezes em 10 anos. De lá para cá já dobrou, o que significa que vai subir agora somente 4 vezes em 10 anos. O segredo é sempre comprar na baixa, e se você não entende disto, não invista. Se você ê facilmente influenciado pela última pessoa com que você conversou ou leu, se você acredita em quem alardeia Premios Nobel que nunca receberam, Bolsa não é para você. Deixe tudo num colchão. Comprar ações depois que elas dobraram, quando os mesmos catastrofistas estão agora prevendo que o Brasil Vai Dar Certo, é sempre perigoso.

Economia e Política

20/08 - 14h21


Desta vez o assunto não se restringe à política monetária. Já que estamos em época de horário eleitoral gratuito, não custa observar... abordei esse tema por um único motivo: o retrocesso na dita economia de mercado. O Brasil cresceu nesta fase mais crítica da crise, apesar de tudo isso. A tentativa de reativar a Telebras, a má gestão na Eletrobras e suas subsidiárias na geração de energia (lembra dos blackouts?), e o aparelhamento das estatais por membros do Partido, em detrimento de competências técnicas... foi esta ineficiência que fez a maior vítima de todas: a Petrobras. Contabilizando toda melhora do cenário interno, e a recuperação do preço das ações em bolsa de valores, justamente a Petro - com todo óleo do pré-sal, encontra-se prejudicada em suas cotações há um bom tempo.

Anterior   1 2 3 4 5 6 Próximo