Aprendizados

AT: os tipos de gráficos

15/05/2008




Como é do conhecimento de todos, a principal ferramenta de um analista técnico são os gráficos de cotações. Por esta razão iremos, neste artigo, esclarecer alguns conceitos em torno dos gráficos e suas aplicabilidades.

Um gráfico de cotações é uma sequência de pontos definidos numa dada janela de amostragem usando para isso uma dada base de tempo (timeframe). Cada gráfico tem dois eixos. No eixo X vem a escala do tempo e no eixo Y temos os valores das cotações.





A base de tempo (timeframe) utilizada pode variar de gráfico para gráfico dependendo da estratégia do analista. Pode ser utilizada uma base de tempo intraday, diária, semanal, mensal, trimestral ou anual. Quanto menor for a base de tempo, menor compressão terá a visualização do gráfico.



Uma base de tempo diária utiliza para desenhar o gráfico um ponto por cada dia de sessão em Bolsa enquanto que uma base de tempo semanal utiliza um ponto para cada 7 dias. Por exemplo, se num gráfico diário visualizarmos 100 pontos de informação, num gráfico semanal com o mesmo número de pontos iremos visualizar 5 meses (um ano corresponderá, grosso modo, a 252 pontos) de cotações. Geralmente os analistas utilizam gráficos intraday (visualização da variação das cotações ao longo da sessão de bolsa) ou gráficos diários com o intuito de analisar a evolução de curto-prazo das cotações. Se quiserem analisar as tendências de médio/longo prazo de uma empresa deverão utilizar gráficos mensais ou anuais.



Basicamente há 4 tipos diferentes de gráficos: gráficos de linhas, de barras, candlesticks e gráficos de pontos e figuras:

 

1. Gráficos de linhas



O gráfico de linha é o gráfico mais simplista. Desenha-se unindo por uma linha, cada ponto consecutivo desenhado no gráfico y-x. A coordenada no eixo Y será a cotação de fechamento e a coordenada no eixo X será a data do pregão em que ocorreu a cotação. A grande vantagem destes gráficos é que a sua análise é bastante intuitiva.

 





 

2. Gráfico de barras



O gráfico de barras já é um gráfico mais complexo. Para desenhá-lo são precisos 4 dados por data: a cotação de fechamento, o valor máximo e mínimo do dia, bem como a cotação na abertura. O máximo da sessão e o mínimo da sessão definem os extremos da linha definida por cada dia. A pequena linha horizontal para a direita define a cotação de fechamento, enquanto a que aponta para a esquerda define o valor da abertura.



A grande vantagem deste tipo de gráfico face ao gráfico de linha é que oferece mais informação, ainda que seja de leitura mais densa.

 

3. Gráfico Candlestick

Este gráfico é proveniente do Japão e tornou-se muito popular na última década. Num gráfico candlestick são necessários os valores de fechamento e abertura, bem como o máximo e mínimo da sessão. A grande vantagem destes gráficos é que permitem uma leitura rápida da relação entre o preço final e de abertura. Se o candle for branco, significa que o valor de fechamento foi superior ao valor de abertura. Se o candle for preto é porque a cotação de fechamento terminou abaixo do valor de abertura.





 

 

4. Gráfico de pontos - Ponto Figura

O gráfico de pontos é um tipo de gráfico menos utilizado na Análise Técnica. A informação mais relevante que se retira deste gráfico é a visualização rápida das variações da cotação de um título ao longo do período de análise. Se a cotação sobe, então são desenhados os “X”s cinzentos. Se caírem, são desenhados “O”s em vermelhos.

 





Confira também o nosso FAQ (Questões mais Frequentes).