Aprendizados

Warren Buffett e seus conselhos

27/04/2008


 

Quer ser rico como ele?

 


Os conselhos de Warren Buffett, o homem que entendeu como ninguém como o mercado funciona


Uma multidão cada vez mais numerosa se reúne todos os anos para ouvir os conselhos do investidor americano Warren Buffett no tradicional encontro de acionistas de sua empresa, a Bershire Hathaway, na pequena cidade de Omaha, no estado de Nebraska. No ano passado, o encontro atraiu 20 000 pessoas -- entre investidores e curiosos.


Em maio de 2007 ano mais de 30 000 pessoas estiveram presentes. Ao falar , Buffett coloca a inexpressiva Omaha no mapa. O interesse em torno do gênio das finanças cresce na mesma medida de sua incrível capacidade de ganhar (muito) dinheiro investindo na bolsa. Neste ano, ele aumentou sua fortuna em 10 bilhões de dólares.


Com um patrimônio pessoal de 52 bilhões de dólares, Buffett se mantém, aos 76 anos, como o terceiro homem mais rico do mundo, atrás do mexicano Carlos Slim e do americano Bill Gates, seu velho amigo e discípulo.


Hoje suas idéias são cultuadas de maneira quase religiosa por seguidores e propagadas em centenas de livros nos Estados Unidos. No mercado editorial brasileiro, porém, os títulos sobre Buffett são poucos. Em parte, essa lacuna poderá ser preenchida por uma obra que será lançada em novembro.


Trata-se de O Tao de Warren Buffet, escrito por Mary Buffett, ex-nora do investidor, em parceria com David Clark, um velho amigo da família. Na obra, Mary se descreve como uma "buffettologista", integrante de um grupo de estudiosos para os quais quanto mais se pensa nas afirmações do investidor, mais elas se mostram reveladoras, tal qual os ensinamentos de um mestre taoísta -- daí o nome do livro.


Durante anos de convívio com Buffett, os autores tiveram a chance de colecionar seus mandamentos de uma maneira privilegiada. A dupla anotou frases ditas por ele em reuniões sociais e encontros familiares. A obra traz 125 dessas citações acompanhadas de uma descrição do contexto em que surgiram.


A coleção traça o retrato de um homem disciplinado e precavido e dá pistas de como ele consegue manter um poderoso portfólio de investimentos sob a bem-sucedida holding Berkshire Hathaway. Quando fundou a companhia, na década de 60, cada ação da Berkshire Hathaway valia 8 dólares -- hoje, o valor dos papéis supera 100 000 dólares.


Dois princípios de Buffett predominam entre as citações do livro. Um deles é apostar apenas em empresas com fundamento ótimos -- ou, nas palavras do investidor, que possam ser comandadas por qualquer idiota. Ele se refere a companhias lucrativas por longos períodos e que tenham uma marca e um conceito de produto tão bons que sejam à prova de fases ruins.


Esses momentos de baixa seriam, aliás, o momento perfeito para aumentar a carteira com papéis da empresa e esperar pela valorização. Buffett aplicou essa lição, por exemplo, em 1973, ao comprar 11 milhões de dólares em ações da Washington Post Company, dona de um dos jornais mais importantes dos Estados Unidos. Na época, o grupo de comunicação atravessava um período turbulento e parecia pouco atraente para os analistas. A situação mudou e os papéis começaram a subir. Hoje, a participação de Buffett na companhia vale algo em torno de 1,5 bilhão de dólares.


A disposição em segurar por tanto tempo um mesmo ativo sintetiza o segundo lema de Warren Buffett para os negócios -- uma lição aprendida em sua estréia na bolsa, aos 11 anos de idade. Na época, ele comprou três ações da petrolífera City Services, a 38 dólares cada.

 

Logo o preço caiu para 27 dólares. Assim que elas se recuperaram e alcançaram uma cotação de 40 dólares, o pequeno Buffett as vendeu. Pouco tempo depois, elas alcançaram a cotação de 200 dólares e mostraram um dos muitos ensinamentos que ele gosta de passar adiante: paciência vale ouro. Segundo ele, o bom investidor se compromete com as ações de uma boa companhia para toda a vida e ignora ascensões e quedas momentâneas. Buffett não costuma se arriscar em ofertas iniciais de ações -- os chamados IPOs -- e prefere ações de companhias que vendem produtos tradicionais, como alimentos e roupas. Sinal de sua cautela é a recusa em adquirir ações de empresas de tecnologia. Buffett costuma afirmar que não importa o quanto a Microsoft rende hoje, mas sim o fato de que nem o dono dela, seu amigo Bill Gates, sabe qual será o futuro do setor daqui a dez anos. Logo, defende, trata-se de uma ação perigosa demais para comprar.


Apesar da riqueza, Buffett não faz o tipo esbanjador. Mesmo depois de ganhar seus primeiros milhões, Buffett rodava pela cidade onde nasceu e vive até hoje, Omaha, a bordo de um Fusca velho. Ele acreditava que os 25 000 dólares que gastaria num carro novo seriam mais úteis aplicados no mercado de ações -- segundo seus cálculos, em 20 anos essa quantia poderia se transformar em quase 1 milhão de dólares. O mesmo raciocínio valia para as roupas, razão pela qual ele só usava ternos baratos. Mesmo seus aparentes excessos -- como viagens a bordo de um jatinhos luxuosos -- são regidos pela lógica financeira. Para poder voar nesses aviões, ele achou melhor comprar sua própria empresa, a NetJets, e ganhar mais um dinheirinho vendendo cotas que garantem aos compradores o uso de um determinado número de horas de vôo por ano.

 

As máximas de Buffett


Algumas das principais frases do megainvestidor:

 

"Fiz meu primeiro investimento aos 11 anos. Eu vinha desperdiçando a minha vida até então"


Buffett estreou no mercado com a compra de três papéis, a um valor de 38 dólares cada um, vendeu-os por 40 dólares e, pouco depois, dispararam a 200 dólares cada um. A experiência o tornou um investidor paciente


"Uma diversificação ampla só é requerida quando os investidores não entendem o que estão fazendo"


O melhor caminho, segundo Buffett, é apostar em poucas empresas de sucesso


"Você deveria investir como um católico se casa: para o resto da vida"


Buffett também nunca entra em aberturas de capital, por não conhecer o histórico de negociação


"Eu seria um mendigo nas ruas com uma caneca de lata se os mercados fossem eficientes"


A racionalidade do mercado nem sempre funciona. E o bom investidor pode se beneficiar disso


"Você deve investir seu dinheiro numa empresa que até um idiota consiga administrar, porque um dia um idiota o fará"


É nesses gigantes difíceis de derrubar que o bom investidor deve aplicar, na visão de Buffett.

 

 

 

 

 Portal Exame, 01.11.2007





Confira também o nosso FAQ (Questões mais Frequentes).