Aprendizados

Estratégias de Investimento

06/01/2009


ALUGUEL DE AÇÕES


 
O empréstimo de ações, ou aluguel, trata-se de uma operação em que investidores oferecem títulos para empréstimo e os tomadores os "alugam" para atender a necessidades temporárias, ou para concretização de estratégias Long-Short, ou outro tipo de operações. A Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC) atua como contraparte e garante os negócios.


 
O interesse de quem "empresta" seus papéis, que em sua maioria são investidores de longo prazo é ter uma remuneração adicional pelo empréstimo, além dos proventos deliberados pelas empresas. Do outro lado, o tomador, visualiza uma desvalorização neste ativo, e para tal, o aluga e vende, para recomprá-lo a um preço menor, garantindo um spread na operação que gere um lucro já expurgando as taxas envolvidas de aluguel e custos da CBLC.


 
OPERAÇÃO A TERMO


 
A operação a termo são contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo ao prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos.


 
O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia.


 
Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. Cobertura: um vendedor a termo que possua os títulos-objeto pode depositá-los na CBLC , como garantia de sua obrigação. Margem: valor igual ao diferencial entre o preço a vista e o preço a termo do papel, acrescido do montante que represente a diferença entre o preço a vista e o menor preço a vista possível no pregão seguinte, estimado com base na volatilidade histórica do título.


 
MERCADO DE OPÇÕES


 
O Mercado de Opções é o mercado em que são negociados direitos de compra ou venda de um lote de ações, com preços e prazos de exercício preestabelecidos.


 
Esse mercado foi criado com o objetivo básico de oferecer um mecanismo de proteção ao mercado de ações contra possíveis perdas. Uma vez que os preços e retornos dos instrumentos financeiros estão sujeitos a flutuações imprevisíveis, as opções podem ser usadas para adaptar o risco às expectativas e metas do investidor. Os participantes do mercado que usam opções para limitar os riscos de oscilação de preços (operações de "hedge") são conhecidos como "hedgers". Entretanto, o mercado também precisa de participantes que estejam dispostos a assumir o risco: estes são chamados "especuladores".



COMO INTERPRETAR O GRÁFICO



Aluguel de ações:
Quanto maior a quantidade de posição ativa de aluguel, maior a probabilidade de o mercado vir a sofrer uma queda, por operações especulativas.


 
Termo: À medida que a posição em aberto de termo aumenta, o mercado sinaliza que acredita em uma valorização do ativo.


 
Opções: Quanto maior a quantidade de venda a descoberto, ou seja, sem o ativo-objeto como cobertura, e o número de titulares, maior será a força vendedora, refletindo em uma barreira para a valorização do papel. A análise das séries próxima ao ativo-objeto é um balizador para a oscilação do papel, no sentido de força de mercado, e perspectivas futuras do mesmo.


 

LONG-SHORT


 
As chamadas estratégias de “long-short” compreendem a manutenção simultânea de ações – e/ou seus derivativos – em posições compradas e vendidas.


 
Na maioria dos casos, os administradores de carteiras long-short compram ações ou opções de algumas empresas e alugam de outras empresas para vendê-las no mercado, devolvendo quando lhes interessar. Nesse caso, mais importante do que a valorização ou desvalorização das ações é o desempenho relativo entre as posições compradas e vendidas.


 
Através da análise de valor relativo dos ativos, pode-se fazer também uma “simples troca” de posição entre pares de ativos. Fazendo trocas pode-se performar melhor do que agindo de maneira passiva e estática.


 
MODALIDADES


 
Intra-setorial: compra e venda de ações de empresas de um setor específico. É uma modalidade que tende a apresentar oscilações menores do que as demais, pois minimiza os riscos gerais, já que os impactos afetam o setor como um todo.



Inter-setorial:
compra de ações de um setor e venda de ações de outro, certamente o conhecimento profundo dos setores e suas relações é determinante para essa modalidade.


 
Spread ON/PN: compra de ações ordinárias e venda de ações preferenciais, e vice-versa.



Carteira x Carteira:
compra de uma carteira de ações diversas e venda de outro grupo de ações. Uma variante dessa modalidade é a utilização de uma carteira de ações compradas e a venda de contratos futuros de índices de ações.



Quantitativa:
As decisões são influenciadas principalmente por análises estatísticas dos pares ao longo do tempo. Essas operações desconsideram qualquer análise de fundamentos, sendo puramente técnica. De sorte que podem ocorrer distorções nas estatísticas ocasionadas por mudanças cruciais nos fundamentos das empresas e setores.


 





Confira também o nosso FAQ (Questões mais Frequentes).